O budismo é a prática dos ensinamentos de Buda, também chamado de Darma, que significa “proteção”. Praticando os ensinamentos de Buda, ficamos permanentemente protegidos do sofrimento.

O fundador do budismo é Buda Shakyamuni que mostrou como alcançar o nosso potencial mais elevado, a Buddha-Shakyamuni-transparent-275x276conquista da iluminação, em 589 a.C. na Índia. Buda deu 84 mil ensinamentos e a partir desses preciosos ensinamentos o budismo desenvolveu-se neste mundo. Podemos ver, atualmente, muitos tipos diferentes de budismo, como o Budismo Zen, o Theravada, e o Budismo Kadampa, entre outros. Esses diferentes aspectos são todos igualmente preciosos, diferindo apenas na sua apresentação. 

Os pilares principais do budismo são a compaixão e a sabedoria. Motivados pelo nosso bom coração, desenvolvemos a compaixão universal, ou seja, o desejo de que todos os seres vivos, sem exceção, se libertem do sofrimento para sempre. Com essa motivação altruísta, devemos desenvolver a nossa sabedoria para poder, de facto, libertar-nos e a todos os seres vivos do samsara, um ciclo de sofrimento descontrolado, no qual estamos sujeitos ao nascimento, envelhecimento, doença e morte, sem escolha, vida após vida.

Existem duas escolas principais de budismo: hinayana e mahayana. Na escola hinayana, a ênfase está na libertação individual do sofrimento e na escola mahayana, na libertação de todos os seres vivos do sofrimento.

No budismo mahayana, segue-se o caminho do bodhisattva, alguém que está comprometido em alcançar a iluminação para o benefício de todos os demais seres. No caminho do bodhisattva, praticamos as seis perfeições, com as quais purificamos e aperfeiçoamos gradualmente a nossa consciência: generosidade, disciplina moral, paciência, esforço, concentração e sabedoria.

De acordo com o budismo, todos os seres, sem exceção, têm uma natureza de Buda e poderão alcançar a iluminação ao praticar o Darma

Saiba mais sobre o Budismo descarregando de modo gratuito este ebook: BUDISMO MODERNO