Os seres desta época têm uma forte ligação cármica com Dorje Shugden e, por isso, ele é o Protetor do Dharma que melhor pode ajudá-los. Assim, diz-se: “Agora é a hora de confiar em Dorje Shugden”. Ele sempre ajuda, guia e protege praticantes puros que possuem fé, concede-lhes bênçãos, aumenta sua sabedoria, realiza seus desejos e confere-lhes sucesso em todas as suas atividades virtuosas.

Esta prática é constituída por cinco partes: Louvor a Manjushri, o Guru ioga de Je Tsongkapa, Autogeração como Heruka, o Ritual de restauração e satisfação dos Protetores gerais e o Ritual de restauração e satisfação do grande rei Dorje Shugden, sendo a última a prática principal. Esta sadhana longa denomina-se Kangso em tibetano, que significa Ritual de restauração e satisfação, e é praticada mensalmente nos centros de Dharma. Começamos a prática com Louvor a Manjushri, para lembrar que o Guru e o Protetor são, na realidade, emanações do Buda da Sabedoria. Depois, fazemos o Guru Ioga de Je Tsongkapa, dissolvemos o Guru no nosso coração e praticamos a autogeração como Heruka. Então, antes de iniciar a sadhana de Dorje Shugden, convidamos os Protetores do Dharma gerais, como Mahakala, Kalarupa e Kalindewi. O Ritual de restauração e satisfação dos Protetores gerais está incluído na sadhana de Dorje Shugden.